Provedores interferem em velocidade de navegação do usuário

PDF Imprimir E-mail
Guilherme Felitti - Editor assistente do IDG Now - Banda larga
22.04.2008
Teoricamente, o mundo digital é um ambiente com recursos ilimitados que podem ser multiplicados infinitamente para atingir um número cada vez maior de usuários para funções cada vez mais complexas. Teoricamente.

Há um bem no mundo digital que não obedece, em qualquer parte do mundo, a natureza abundante da reprodução de bits e se encontra num equilíbrio delicado entre o uso racionado e o desejo por mais: a banda.

De um lado, estão as provedoras responsáveis pelos investimentos milionários em infra-estrutura que compartilham do mesmo comprometimento de não restringirem sua banda. Do outro, os usuários de banda larga que vêem seus direitos de consumo supostamente desrespeitados pelas alterações na velocidade de acesso de seus planos, armando e compartilhando planos que comprovem as estratégias sorrateiras das operadoras.

No centro da polêmica, está o traffic shaping, prática supostamente aplicada por todos os provedores de banda larga no país para, como sugere a própria tradução do inglês, moldar o tráfego usado pelo usuário, determinando quais programas ou protocolos podem ter acesso a determinada quantidade de banda em quais períodos do dia.

Não bastassem as acusações dos usuários, a questão é ainda mais polêmica por nenhuma das provedoras assumir oficialmente a prática, cujas suspeitas são facilmente observáveis em testes que usam tecnologias como encriptação de dados e VPN (virtual private network) para driblar o controle. A prática pode se esconder na instabilidade das milhares de redes interconectadas e administradas independentemente que formam a internet.

E porque uma provedora limitaria o consumo de banda de usuários, que pagam por um serviço? Tradicionalmente, um grupo de usuários acostumado a baixar fervorosamente conteúdo multimídia durante o mês consome grande parte da banda oferecida pela infra-estrutura montada pela operadora - as empresas trabalham com projeções que contemplam que entre 10% e 20% de seus clientes consomem até 80% da banda oferecida.

A limitação imposta pelo traffic shaping não apenas impede uma participação ainda maior de quem está acostumado a baixar filmes e músicas com freqüência, mas também assegura que a maioria dos usuários restantes, que usam menos banda durante o mês, encontrará um serviço estável e com velocidade minimamente decente para acessar seus e-mails, entrar em redes sociais ou ler blogs.

"O uso ostensivo de alguns tipos de aplicações acabam prejudicando outros usuários. (O traffic shaping) é uma solução de engenharia para se trazer um certo equilíbrio para todos os usuários. Em qualquer rede, você tem recursos limitados, principalmente em uma tecnologia de transporte baseada em pacotes", explica Frederico Neves, diretor de serviços e tecnologia do Núcleo de Informação e Coordenação (NIC.br), ligado ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

"De certa forma, esta técnica prejudica as expectativas de usuários que acham que não usam um bem compartilhado", complementa. E as expectativas são, realmente, altíssimas. A reação de usuários contra o suposto traffic shaping é facilmente medida pela onda de reclamações que clientes publicam em fóruns, acompanhados por tutoriais sobre como descobrir se determinado provador restringe a banda, gráficos que mostram quedas na velocidade de acesso e vídeos demonstrando maneiras para driblar qualquer restrição.

As reclamações dos clientes se concentram, principalmente, na falta de indicações claras no contrato de prestação de serviços sobre possíveis interferências na velocidade de determinados protocolos. "É como o overbooking sem punição. Você vende mais do que consegue entregar, mas não tem punição. Se (a operadora) faz isto de propósito, é estelionato. Vende-se um serviço com tal banda, mas não é assim", acusa Horácio Belfort, presidente e fundador da Associação Brasileira dos Usuários de Acesso Rápido (Abusar).

Um sentimento comum é o do "eu paguei, portanto quero usar da maneira que quiser". "Na GVT, o traffic shaping é aplicado em horário pré-determinado, a partir das 9h da manhã (mais ou menos, com downloads via P2P limitados a 25kbps), terminando exatamente as 20h (com os downloads saltando de 25kbps para 100kbps)", detalha Juliano Valentin, usuário da banda larga da provedora desde janeiro de 2007.

Mauro Melillo tem reclamações semelhantes com a Brasil Telecom. "A filtragem (da operadora) começou em dezembro de 2007. Eu baixava (conteúdo multimídia de redes P2P) a 210 Kilobytes por segundo durante o dia todo e hoje não passo de 30 KB/s. Só aumenta um pouco durante madrugada", explica ele, que engrossa a multidão de insatisfeitos que publicaram vídeos no YouTube tentando provar a suposta prática do seu provedor.

A comparação que Belfort, da Abusar, faz com a prática das companhias aéreas de reservar mais passageiros para um vôo do que a aeronave comporta faz sentido, ironicamente, pelo mesmo motivo alegado por clientes que se sentem prejudicados: os detalhes que constam no contrato.

É prática comum das provedoras garantir um mínimo de velocidade a partir do plano de acesso contratado pelo cliente - contrato assinado e velocidade mínima garantida, o usuário fica sem respaldo legal para enfrentar a operadora sobre uma velocidade menor que aquela prometida na propaganda.

Somam-se a isto as negativas perpétuas que provedoras divulgam sobre a prática de traffic shaping e quem se sente prejudicado fica sem caminhos para recorrer. Ou como Juliano bem sintetiza: "O traffic shaping é tão camuflado que talvez nem mesmo os técnicos das operadoras conseguiriam comprová-lo se quisessem."

A dificuldade vem da natureza instável e rapidamente mutável que a moldagem de banda adquiri pelos softwares ou pelos firmwares de roteadores e switches das operadoras. As plataformas de gerenciamento de redes de banda larga funcionam de maneiras muito distintas, mas com uma amplitude que dificulta usuários ou consultorias detectarem indícios que apontem para regras na maneira como a banda é consumida.

O diretor de tecnologia da 3Com Brasil, Antônio Mariano, empresa responsável por fabricar equipamentos de infra-estrutura para provedores, confirma que roteadores da empresa, além de modelos de marcas concorrentes, trazem programas integrados. Por meio de uma interface gráfica é possível, segundo ele, que o administrador de rede defina quais são os protocolos que podem baixar conteúdo, o teto para downloads em determinada região ou restrições de horário que um programa em questão terá dentro da rede.

É possível, por exemplo, restringir a banda consumida por programas que usem o protocolo P2P entre às 8 horas da manhã e as 10 horas da noite semanalmente, ou definir que usuários em determinado bairro sofrerão cortes na banda usada por programas de VoIP, o que prejudicará a qualidade da ligação. Nos casos em que uma quantidade de banda é definida, os programas de restrição forçam pacotes de dados a se perderem, o que diminui a quantidade de informações trafegando por uma rede e impede que o teto de banda consumida seja atingido.

Ainda que negadas pelas operadoras, as conseqüências diretas para os clientes são fáceis de perceber: na maioria dos casos, redes P2P ou torrent para download de conteúdo multimídia apresentam velocidades muito abaixo da que o plano originalmente proveria e ligações por VoIP sofrem falhas nas conversas pela perda de pacotes, enquanto a navegação por páginas e serviços online mantém uma estabilidade de velocidade.

"São vários os parâmetros: qual é tráfego prioritário, qual o nível de tráfego excedido, qual o comportamento após estourar (se vai alocar mais, baixar prioridade ou descartar tráfego excedente). Posso definir que a política que será estabelecida levando em consideração até a hora do dia", explica Mariano, da 3Com. Aliando o sistema a uma ferramenta que condensa os dados em relatórios, operadoras têm em mãos gráficos sobre os aplicativos mais usados ou quanto cada usuário consome de banda diariamente, por exemplo.

Foi um tipo de tecnologia semelhante que a Electronic Frontier Foundation (EFF) pegou no flagra ao usar o rastreador de pacotes Wireshark no serviço de banda larga da Comcast e comprovar que a provedora norte-americana usava técnicas para forçar a perda de pacotes e até bloquear o uso de programas P2P ou VoIP. A EFF também testou serviços de compartilhamento buscando e oferecendo arquivos não protegidos por direitos autorais.

"Consideramos a possibilidade de que outros provedores pudessem estar envolvidos nesta intermediação e testamos conexões oferecidas por outras empresas, como Sonic, AT&T e provedores internacionais. Em uma série de testes, observamos apenas irregularidades em conexões de clientes da Comcast", diz a análise feita por Peter Eckersley, Fred von Lohmann e Seth Schoen, que pode ser baixada em PDF no site da EFF.

O acúmulo de evidências fez com que a Comissão Federal de Comunicações (da sigla em inglês, FCC), responsável por regulamentar as telecomunicações norte-americanas, iniciasse uma investigação sobre o suposto traffic shaping praticado pela Comcast que, como todas as provedoras brasileiras, afirmava não fazer qualquer tipo de restrição até a publicação do documento, no começo de dezembro de 2007.

Sob investigação, a Comcast tenta se defender propondo a criação de um "Código de conduta" que englobaria o envolvimento de provedores no tráfego dos seus clientes e detalharia qual o nível de controle que usuários teriam sobre aplicações de torrent, P2P ou VoIP instalados em seus próprios computadores, no aprofundamento da estratégia da provedora de tratar todos os protocolos usados por seus usuários da mesma maneira.

Os debates sobre a questão atendem pelo nome de "neutralidade online" nos Estados Unidos e atingem até o Senado norte-americano, sob o lobby de operadoras defendendo que ou empresas responsáveis por serviços com alto consumo de banda paguem uma taxa extra para a construção de infra-estrutura mais potente ou clientes escolham pacotes de acesso com preços diferentes conforme o perfil de uso dos sites - quem acessa apenas blogs e e-mails teria de pagar menos que usuários acostumados a assistir vídeos no YouTube ou a baixar arquivos multimídia.

Tutoriais disponíveis na internet tentam mapear técnicas que driblam as restrições comprovadamente, como o uso de softwares de compartilhamento com encriptação de dados ou de uma rede privada pessoal (da sigla em inglês, VPN) e a mudança das portas comumente usadas pelos softwares de torrent, P2P ou VoIP - tanto o Abusar como blogs (o ComoFaço é um deles) contam com exemplos que podem servir de base para usuários.

No fim, muita da polêmica se resume ao contrato e é este o ponto que Neves levanta ao comentar o levante de usuários que se sentem prejudicados contra o traffic shaping. "É irreal esperar pagar 100 reais por mês e querer o máximo de um plano de 2 Mbps. Quem te vendeu esta idéia foi o marketing da provedora. Em lugar nenhum do mundo você terá" um plano de banda larga funcionando a todo vapor com o pagamento de uma parcela tão baixa, garante o executivo, para quem a solução está num entendimento melhor do contrato de prestação de serviços.

"Nos contratos, está claro que ela não garante toda a banda". Mais que isto: uma conexão doméstica ou para pequenas e médias empresas que entregue a velocidade prometida de 2 Mbps, por exemplo, custaria até 2 mil reais mensais", diz Neves, em reflexo direto da escassez de investimentos na banda larga brasileira, o que também inviabilizaria a comparação, constantemente feita por clientes insatisfeitos, com o setor de telecomunicações japonês ou europeu.

O presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude, concorda com Neves. "Elas (provedoras) colocam no contrato que não garantem aquela banda que vendem - há a garantia do mínimo. Neste sentido, elas não são crianças de prometerem algo que não entregam, senão já teriam perdido na Justiça", afirma Tude em uma teoria corroborada pelo histórico quase inexistente que o traffic shaping tem nos tribunais brasileiros.

O primeiro caso, iniciado por Belfort em 2000 contra a Telefônica está parado na Justiça, esperando pela perícia técnica nas redes por onde o serviço Speedy é oferecido para juntar possíveis evidências que sejam usadas contra a provedora espanhola na corte. Já são oito anos de espera e, de lá para cá, o número de clientes prejudicados que procuraram a Justiça para tentar comprovar o traffic shaping apenas aumentou.

O caminho é sempre o mesmo: ao verificar a queda na taxa de downloads, o usuário primeiro reclama diretamente à operadora, que, na maioria dos casos, atenua a restrição. Com a manutenção da prática, o usuário recorre à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que cria protocolos de investigação sobre o caso e notifica a provedora, ou ao Ministério Público regional, responsável por inquéritos civis públicos envolvendo as empresas.

O carioca Luiz Fabio Pacheco vai pelo mesmo caminho. "Estou tentando evitar entrar com uma ação contra eles (provedores), mas se não pararem com esse estrangulamento no meu sinal de uma vez por todas, vou entrar sim. Já fiz até uma denúncia no Ministério Público carioca", relata, dizendo que vai "sufocar" a Net Serviços, cujo Virtua equipa sua casa, para sair de uma suposta lista de "heavy users" identificada e restringida pela operadora.

Pacheco não está entre o público-alvo das considerações de Neves, já que afirma ler o contrato e fazer as contas: ainda que garanta 10% da banda, a Net não entrega os 25 KB/s mínimos que promete constantemente em sua casa, oferecendo taxas que oscilam entre 10 KB/s e 20 KB/s, o que, teoricamente, justificaria uma possível entrada na Justiça por descumprimento de contrato.

O cumprimento à risca da velocidade do plano vendido pelo marketing da operadora teria como conseqüência mais direta e impactante o repasse dos gastos feitos pela empresa na ampliação da sua infra-estrutura de acesso para o consumidor, o que implicaria em mensalidades mais altas das atualmente disponíveis.

Belfort sugere que seria responsabilidade das provedoras atualizar suas redes para suprir a demanda de banda vendida. Tude argumenta que cada uma delas precisa pesar se vale a pena investir dinheiro para dar vazão ao que chamou de "tráfego de pico", poucos momentos da semana em que um grande número de usuários usam a rede para baixar conteúdos pesados, algo que "não compensaria".

Ainda na metáfora do overbooking, pela lentidão da Justiça e a falta de evidências concretas contra operadoras,a falta de regras da banda larga brasileira ainda verá muita aeronave lotada sem levantar vôo do chão sem qualquer esclarecimento das companhia aéreas.

Procuradas pelo IDG Now!, as operadoras Brasil Telecom, GVT, NET e Telefônica negaram qualquer prática de traffic shaping e preferiram não dar entrevistas à reportagem.
Comentários
Busca
Nome:
E-mail:
 
Título:
 
Por favor coloque o código anti-spam que você lê na imagem.
Ivo Maioli  - VIVO 3G - *processo na JUSTIÇA*   |187.91.49.xxx |2009-12-09 16:14:38
Problema com caractere. comentário vazio
Ivo Maioli  - VIVO 3G - Petição na JUSTIÇA   |187.91.49.xxx |2009-12-09 16:17:19
Problema com caractere. comentário vazio
claudinei  - insatisfação   |201.79.137.xxx |2012-06-29 14:27:32
eu resumo q guando ñ se tm uma justica q trabalha a favor do direitos legais do consumidor ou guando ñ ligam p/ resolver os poblemas pelo caminho justo fica ai a facilidade das provedoras fazerem o q fazem e assim deixar muitos usuarios sem ter o q fazer pois no final das contas tudo se resume em papel e mais nada.
E um empurrando em cima do outro até q tudo seja arquivado ou o consumidor se cansar do processo e sair prejudicado, esse é o brasil em q vivemos esperamos q ele continue melhorando para isso é necessario continuar cm essa luta até conseguirmos a solução dos Poblemas / mais para isso tem q ter muita paciência

3.26 Copyright (C) 2008 Compojoom.com / Copyright (C) 2007 Alain Georgette / Copyright (C) 2006 Frantisek Hliva. All rights reserved."

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >



  • Frente Parlamentar pela liberdade de expressão
  • Especial Confecom

Assine nosso Boletim

 

Endereço de e-mail.


Veja os boletins anteriores
21 de abril de 2014 - última atualização 17/04/2014 - 00:59